Arquivo do blog

Seguidores

MEDITE

Se a nossa maior necessidade fosse informações, Deus nos teria mandado um pedagogo. Se nossa maior necessidade fosse tecnologia, Ele nos teria enviado um cientista. Se nossa maior necessidade fosse dinheiro, Deus nos mandaria um economista. Mas como nossa maior necessidade era perdão e salvação, Deus nos mandou um Salvador, JESUS CRISTO.

Anderson Bessa - " Teus Olhos "

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

A Bíblia a morte e o julgamento!


O que a Bíblia ensina sobre a morte e o julgamento?

Nascemos, vivemos e morremos. E depois? Esta pergunta tem desafiado a humanidade através da História do Mundo. Nosso entendimento do que acontece após a morte influenciará muito a maneira pela qual vivemos. Para aqueles que procuram agradar a Deus, é importante saber o que ele revelou sobre este assunto. Só por um estudo da Bíblia podemos evitar os perigosos erros da sabedoria humana. O que acontecerá depois que morrermos? A Bíblia responde a essas perguntas.

O que é a morte?

A morte é uma separação. Podemos entender este fato claramente, considerando como a Bíblia descreve a morte espiritual. Comecemos no livro de Gênesis, onde encontramos pela primeira vez o conceito de morte.

Quando Deus disse a Adão que não comesse da árvore do conhecimento do bem e do mal, ele revelou que a consequência da desobediência seria a morte no mesmo dia do pecado (Gênesis 2:17). Com certeza, Deus cumpriu sua promessa sobre a consequência do pecado, porque ele sempre fala a verdade e nunca quebra uma promessa. Por causa do pecado do casal original, Deus expulsou-os do Jardim do Éden (Gênesis 3:23-24). Mesmo tendo Adão vivido, em seu corpo físico, por 930 anos, ele e sua esposa morreram no dia de seu pecado, no sentido de que eles foram separados de Deus. A morte espiritual é a separação de Deus.

O caso de Adão e Eva nos ajuda a entender que é possível estar fisicamente vivo, enquanto morto espiritualmente (veja Efésios 2:1-6, por exemplo). A razão para esta morte espiritual esta separação de Deus é sempre a mesma. Separamo-nos de Deus pelo nosso próprio pecado (Isaías 59:1-2).

A morte física também é uma separação. Quando o corpo está separado do espírito, ele está morto (Tiago 2:26). Eclesiastes 12:7 nos diz que isto é o que acontece no fim da vida física: “O pó volte a terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu”.

O que acontecerá após a morte?

É claro que o espírito voltará a Deus, mas o que ele fará com meu espírito? Mesmo que a Bíblia possa não satisfazer toda a nossa curiosidade sobre o que acontece depois da morte, ela é clara ao apresentar diversos fatos vitais:

Deus confortará o fiel e mandará o ímpio para um lugar de tormento (Lucas 16:25).

Deus julgará cada pessoa (Hebreus 9:27). Este julgamento será de acordo com a palavra que Deus revelou através de seu Filho (João 12:48). Ele julgará as coisas que fizemos em corpo (2Coríntios 5:10). Passagens como (Mateus 25:31-46) e (2Tessalonicenses 1:7-12) mostram claramente que haverá uma eterna separação (morte espiritual) entre os justos (obedientes) e os injustos (desobedientes).

Podemos concluir, então, que a morte eterna não é o fim da existência, mas uma eterna separação de Deus. É óbvio no caso do homem rico, porém desobediente, em Lucas 16 que uma pessoa ainda estará consciente, mas que o injusto nunca poderá atravessar a separação para estar na presença de Deus.

Respondendo às doutrinas humanas

Infelizmente, há muitas doutrinas conflitantes sobre a morte e a eternidade. Consideremos, brevemente, quatro exemplos de doutrinas humanas que contradizem o ensinamento da Bíblia.

1.    Doutrina humana: A morte é o fim da existência

As pessoas que não acreditam na existência de Deus, obviamente, negam a ideia de vida após a morte. Outros, mesmo entre aqueles que se proclamam seguidores de Jesus, ensinam que os injustos deixarão de existir, quando morrerem. Em contraste, Jesus claramente ensinou que a existência não cessa com a morte (Mateus 22:31-32; Lucas 16:19-31). O problema fundamental nesta doutrina humana que diz que a existência cessa com a morte, é o erro de não entender que a morte é uma separação, e não o fim da existência da pessoa (Tiago 2:26). Algumas igrejas, seguindo doutrinas de homens, negam a existência do inferno, mas a Bíblia mostra que todos serão julgados e separados, os justos para a vida eterna e os ímpios para o castigo eternamente, separados de Deus para sempre (João 5:28-29; Mateus 25:41,46).

2.    Doutrina humana: A reencarnação

Muitas pessoas estão fascinadas pela ideia da reencarnação, incluindo-se aquelas que seguem religiões orientais, como o hinduísmo, e outras que aceitaram a filosofia da “Nova Era” ou os ensinamentos do Espiritismo. A doutrina da reencarnação é que nossa alma voltará possivelmente centenas de vezes, para viver novamente e para ser aperfeiçoada em consecutivas vidas. A Bíblia não diz nada para provar esta ideia. Em contraste, a Bíblia ensina que morreremos só uma vez. Hebreus 9:27-28 diz: “E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo, assim também Cristo, tendo-se oferecido uma vez para sempre para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o aguardam para a salvação.” Pense no significado desta afirmação. Se uma pessoa precisa morrer muitas vezes, qual é o valor do sacrifício de Jesus? Teria ele também que morrer muitas vezes? Esta passagem mostra que ele morreu uma vez para pagar o preço de nossos pecados. (2Coríntios 5:10) afirma que cada pessoa será julgada “segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo”. Neste versículo, Paulo não fala de corpos, mas de um corpo só. O meu espírito não voltará para ser aperfeiçoado em outros corpos. Quando morremos, o nosso espírito volta para Deus. Note, também, que a ideia de que nossas almas são aperfeiçoadas através da reencarnação é absolutamente oposta à doutrina Bíblica de que somos salvos pela graça de Deus (Efésios 2:8-9).

3.    Doutrina humana: O purgatório

A doutrina do purgatório foi propagada pelo catolicismo, e sugere que há uma oportunidade depois da morte para sofrer por causa de certos pecados antes de entrar no céu. Esta doutrina diminui o valor do sacrifício de Cristo, que deu a seus servos o dom gratuito da salvação. Não podemos merecer nossa passagem para o céu, nem antes nem depois da morte. Quando a Bíblia fala da situação dos mortos, ela diz que é impossível ao ímpio escapar dos tormentos para entrar no conforto dos fiéis (Lucas 16:25-26). A doutrina do purgatório, simplesmente, não é encontrada na Bíblia.

4.    Doutrina humana: Comunicação com os mortos

A prática do espiritismo e de algumas outras religiões, ao tentar comunicar-se com os mortos, é absolutamente oposta ao ensinamento da Bíblia. Quando o homem rico de Lucas 16 pediu que um mensageiro dos mortos fosse enviado para ensinar sua família, Abraão disse que isso não seria permitido, e que nem era necessário (Lucas 16:27-31). No Velho Testamento, Deus condenou como abominações, esses esforços para consultar os mortos (Deuteronômio 18:9-12). A consulta aos mortos é ligada à idolatria e à feitiçaria, coisas que são sempre condenadas, tanto no Velho como no Novo Testamento. É, absolutamente e sempre, errado tentar consultar os mortos.

Conclusão: O que faremos?

O entendimento correto do ensinamento Bíblico sobre a morte tem aplicação prática em nossas vidas. Eis duas sugestões específicas sobre as aplicações que devemos fazer:

(1) Devemos resistir às doutrinas e práticas que não são baseadas na Bíblia, incluindo:

- A ideia de que a existência termina com a morte

- As tentativas de comunicar com os mortos

- A doutrina do purgatório

- A doutrina da reencarnação

(2) Devemos viver de acordo com os ensinamentos da Bíblia, de modo que estejamos prontos, quando encontrarmos Jesus (Mateus 24:42-44); (2Pedro 3:10-13).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Magno Malta mobiliza comunidade no Dia Nacional de Combate ao Abuso Sexual Infantil

.

Magno  Malta levantou sua bandeira de luta no  Dia Nacional de Combate ao abuso Sexual Infantil
Magno Malta levantou sua bandeira de luta no Dia Nacional de Combate ao abuso Sexual Infantil

Grupos com a camiseta todos contra pedofilia e a Polícia Civil panfletaram na Praça Costa Pereira, ao mesmo tempo, senador Magno Malta (PR/ES) usava os microfones da Rádio Cor da Vida para convocar a população para marcar a data, que lembra o brutal assassinato da menina Araceli Cabrera Crespo, ocorrido em Vitória

Profundo conhecedor da real violência que estupra, mata alma das crianças e tira vida de milhares de meninos e meninas em todo território brasileiro, senador Magno Malta, uniu forças ao delegado Marcelo Nolasco, da Delegacia de Proteção à Criança e Adolescentes e nesta sexta feira, para campanha educativa no centro de Vitória. “Só este ano, no Espírito Santo já foram registrados 2.456 ocorrências contra crianças. Temos que mudar este quadro caótico que destrói lares e ameaça a família”, disse Magno Malta.

Segundo o delegado Marcelo Nolasco, “o apoio do senador Magno Malta é fundamental nesta luta. Foi este parlamentar do Espírito Santo que acordou o mundo para a realidade dos pedófilos impunes, que abusam e matam crianças. A equipe do senador veio junto para as ruas mostrar que tem uma voz forte no parlamento contra esta triste estatística”, frisou o delegado.

A data desta sexta-feira, 18 de maio, marca o Dia Nacional de Combate ao Abuso Sexual Infantil e foi escolhida para lembrar o crime que chocou o Brasil e terminou impune. Há exatamente 30 anos, a criança Araceli, com apenas 8 anos, foi brutalmente assassinada e os suspeitos nunca foram punidos.

Magno Malta passou toda manhã no microfone, entrevistando autoridades, líderes e a população para estimular o cidadão comum denunciar as violências praticadas contra as crianças. “Senhor Governador, secretário de Segurança Pública e juízes estou pedindo mão de ferro contra os pedófilos e assassinos de crianças. Vamos defender nossos filhos, vamos lutar me defesa da família brasileira”, clamou Magno Malta, atual presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Família.

Grupo Todos Contra a Pedofilia e Polícia Civil na panfletagem nesta sexta-feira.
Grupo Todos Contra a Pedofilia e Polícia Civil na panfletagem nesta sexta-feira.


O grupo coordenado por Márcia Rodrigues parava os pedestres e entregava cartilha educativa. “Foi uma excelente iniciativa para esclarecer a população e todos receberam bem nossa equipe”, finalizou Marcinha, como é chamada a líder do Grupo Todos Contra a Pedofilia no Espírito Santo.

Fonte:http://www.magnomalta.com/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=2600:magno-malta-mobiliza-comunidade-no-dia-nacional-de-combate-ao-abuso-sexual-infantil&catid=20:cpi-da-pedofilia&Itemid=39

Leia os Livros On-line

Postagens populares